CONSULTORIA JURÍDICA ESPECIALIZADA

Temos como foco o atendimento das necessidades jurídicas dos profissionais da medicina e da indústria do setor de saúde.

Fale Conosco

Padrões éticos corporativos e a nova realidade

padrões éticos corporativos

“Vocês precisam estar preparados para a nova realidade de padrões éticos corporativos.”

É assim que Caio de Souza Loureiro – Advogado sócio do escritório Manesco, Ramires, Perez, Azevedo Marques – inicia seu último artigo no site Meio & Mensagem.

A publicação feita em 14 de dezembro de 2016 reafirma a necessidade de combater práticas fraudatórias ou corruptivas dentro do ambiente corporativo.

“É um erro fatal ignorar a importância de um programa de integridade corporativa, que irá estipular as normas de conduta e procedimentos internos, um canal de comunicação e denúncias de irregularidades, o treinamento dos seus colaboradores, a interação com fornecedores e clientes e, principalmente, o comprometimento da alta direção.”

De acordo com o autor, as razões para esta mudança de comportamento têm um fundamento bastante prático:

“A preocupação com o compliance é cada vez mais presente, em decorrência da edição de leis mais duras, da atuação mais efetiva de autoridades e da colaboração entre países e instituições na investigação, apuração e sanção desses atos. No Brasil, a recente edição da Lei Anticorrupção e a atuação ostensiva do Ministério Público e do Poder Judiciário chamaram a atenção para a importância da adoção constante de condutas éticas por parte das empresas.”

O texto é voltado principalmente à agências de comunicação, produtoras, veículos e empresários, mas reforça a necessidade da adoção de novos padrões éticos corporativos:

“… é essencial que se dediquem a montar seus programas de integridade, construídos com a atenção às peculiaridades dos negócios travados nesse setor e, amiúde, às particularidades de cada empresa. Essa tarefa precisa ser feita tendo em mente que um programa de integridade é muito mais que um código padrão. Ele é uma estrutura mais complexa e abrangente de integridade corporativa e um instrumento vívido de suporte e orientação no agir das empresas.”

Para acessar o artigo completo, visite: http://www.meioemensagem.com.br/home/opiniao/2016/12/14/vamos-falar-sobre-compliance.html